Ao navegar neste site está a dar o seu acordo às Condições Gerais de Utilização e à Política de Privacidade e Proteção de Dados Pessoais. Leia-as atentamente.

Opções, de Urbano da Cruz

Escrever sobre o artista plástico e o ser humano pode ser tão complexo como a sua paleta de cores que se confunde com o arco-íris que muitos gostavam de alcançar.

Urbano da Cruz nasceu em Moçambique, um país africano com uma identidade especial. Teve uma infância e uma vida influenciada por experiências e conhecimentos do mundo oriental, africano e europeu, o que marcou de forma indelével a sua admirável sensibilidade. Vive em Portugal desde os seus dezassete anos e tornou-se um homem de princípios e valores universais que se encontram na beleza das coisas simples da vida, que o Mestre Urbano tão bem simboliza através do seu caráter, da sua forma de ser e de estar, do seu trabalho, da sua obra. E foi assim que nos conquistou e que nos conheceu, já lá vão uns bons anos. O ser humano envolvente, afetuoso, disponível, aparentemente frágil e sensível, é movido por uma enorme determinação e uma capacidade de sonhar sem limites, quase pluripotencial … tal como acontece quando somos crianças.

Iniciou o seu caminho no mundo da arte em 1987. E nunca mais parou. Mais de 500 exposições em mais de 90 países dos cinco continentes. Representado em mais de 150 países, em museus, fundações, palácios, bibliotecas, câmaras municipais e coleções públicas e privadas, foi agraciado com mais de três dezenas de prémios, distinções e menções honrosas. E mantém sempre a mesma paixão. Em cada uma das suas obras, que se reinventam diariamente, sentimos o reflexo da diversidade de influências e conhecimentos, das crenças e recordações de infância.

Em Urbano da Cruz existem sempre Opções. Pela pintura em alternativa à fotografia ou vídeo. Pela beleza e significado das obras que expõe. Pelas técnicas inovadoras (com utilização de berbequim, água, óleos, lixívia, fogo, entre outras). Pela escrita literária e histórias encantadoras subjacentes à sua pintura. Pela leveza e profundo significado da sua simbologia e das suas cores. Pela psicologia da mensagem do ‘Bem’ que transmite ao nosso olhar e sentir. Pelo caminho percorrido ao longo da sua brilhante carreira.

Bem-haja Urbano, por nos ajudar a olhar a vida de uma forma mais humana.

Porto, Novembro de 2013.

Texto escrito por colecionadores da obra do artista:

Dra. Fátima Carvalho
Membro do Conselho Disciplinar Regional do Norte da Ordem dos Médicos

Dr. Miguel Guimarães
Presidente do Conselho Regional do Norte da Ordem dos Médicos

Exposição organizada pela ANACED, com o apoio do Chiado8 – ESPAÇO FIDELIDADE ARTE CONTEMPORÂNEA.